Desplugando...

26.10.2016

 

 

Eu nunca fui daquelas pessoas viciadas em TV, mas confesso que em algumas épocas da minha vida, o som dela ligada faziam certa companhia. Também era bom, às vezes, chegar cansada do trabalho e se jogar no sofá e simplesmente, não pensar em nada. Mas quando nos mudamos pra Bahia, eu grávida, não levamos a mudança e onde fomos morar, não tinha TV. Fiquei mais de um ano sem, coincidindo com o final da gravidez e o primeiro ano da minha filha.
Sempre defendi que os bebês não deveriam ser expostos a telas antes dos dois anos, por muitos motivos, mas não pensava que ficar livre da TV seria tão enriquecedor para mim, e para a construção dos elos e vínculos entre a bebê e eu, entre mim e meu marido, eu comigo mesma... Eu com a natureza e o mundo! Tantos momentos de reflexão. Momentos de leitura, de encantamento, de apreciação da natureza, da vida. Estar SEMPRE presente. Fazer escolhas positivas. Não perder nenhum momento especial da bebê. Gostar de ser criativa... Ser mais curiosa! Conversar mais com minha família, com minha filha! Me entender e mergulhar profundamente na nova realidade! Se recriar e aprender a cada passo!
Acho que a TV teria nos dividido. Teria em muitos momentos, evitado novas conexões de vida e de neurônios.
Hoje a TV está de volta em nossa casa, mas ocupa um canto na sala, quase que esquecido. Seguimos com o plano de evitar transformar a nós mesmos e à nossa filha em zumbis; evitar também expor nossa filha às propagandas, às telas, às informações prontas, E quando chegar o momento, saberemos oferecer a ela o mais adequado, o que irá acrescentar, divertir e fazê-la crescer.

 


 

Please reload

  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon