Mostrar Mais
Quais destes lugares te inspiram? Quais se alinham ao que você idealiza para sua criança?
O que estas escolas estão nos dizendo?

1- Viva o Saber - 1o lugar na faculdade

2- É o melhor porque tem tudo: da educação, do infantil ao terceirão

3- Uma nova forma de educar para um novo tempo

4- Tornar cada sonho em uma verdadeira conquista

5- Um futuro top começa pela escolha do xxx

6- Cuidar da formação da sua criança é nosso compromisso

7- o futuro do seu filho está aqui

8- O colegio é perto mas o ensino leva longe

9- Onde os genios se encontram

10- A melhor fase da vida é agora

11- Educação Infantil que é referencia

“Somos as coisas que moram dentro de nós. Por isso, há pessoas que são tão bonitas, não pela cara, mas pela exuberância do seu mundo interno.”

Rubem Alves

“Nunca ajude uma criança numa tarefa em que ela se sente capaz de fazer.”

Maria Montessori

“Se a criança é capaz de se entregar por inteiro ao mundo ao seu redor em sua brincadeira, então em sua vida adulta será capaz de se dedicar com confiança e forçaa serviço do mundo.” Rudolf Steiner

“Na natureza, a criança encontra liberdade, fantasia e privacidade - um lugar distante do mundo adulto, uma paz à parte.” Richard Louv

“Escolas são pessoas, as pessoas são os seus valores.

Esses valores quando são transformados em princípios de ação, conduzem a projetos." José Pacheco

“ É dos sonhos que nasce a inteligência (...) É preciso escutar as crianças para que a sua inteligência desabroche.” Rubem Alves

“As crianças de hoje estão expostas na alma, exigidas demais intelectualmente e super protegidas fisicamente” Luiza Lameirão

“ É preciso perguntar às crianças o que elas querem ser, o que elas querem fazer.

É preciso que a aprendizagem seja significativa.” José Pacheco

“ A escola do Século XXI tem que considerar que as pessoas são prioridade, mais do que qualquer coisa, e dentro dessa prioridade perceber que há diversidade de seres, de pessoas, de grupos. Uma escola que não pode esquecer que somos parte de uma natureza e não somente donos dela, e que precisamos dela inclusive pra gente manter nosso padrão de civilidade.

Nós precisamos de uma escola que ensine a ser mais humanos.” 

Daniel Munduruku

“ O homem não brinca mais. A criança pequena começa a fazer imitações do homem que não brinca mais e vai acabar sem nunca ter brincado. A criança só vê a mãe usando aparelhos elétricos, não vê a mãe sacudir a roupa, cantarolar enquanto bate um bolo. A mãe e o pai são ligadores de aparelhos que precisam fazer tudo o mais rápido possível. Em vez do canto, da dança, o barulho dos motores domésticos. Cadê o lúdico que era da vida?” Therezita Pagani

“A criança não pode estar o tempo todo levada a fazer alguma coisa. Essa é uma angústia de quem trabalha com crianças, querer deixar a criança sempre ocupada; é uma influência do mundo industrial, não se pode ficar à toa. A criança precisa ter o tempo dela, precisa ter essa preguiça. Se está sentada no banquinho ou na beira do tanque de areia, deixa essa criança ali, está maturando coisas que está vendo. O adulto bem treinado sabe se o olhar não é vazio ou de tristeza. A criança que para, que olha, que pensa, que observa, consegue entrar com muito mais consciência numa atividade, do que outra que está agitada. Sempre falo para aceitarmos o ritmo da criança.” Therezita Pagani

...e o que estes pensadores tem a dizer?

"Temos que viver nossa verdade e criar aquilo que faz sentido para você". Esta frase inspiradora da Ivana, fundadora da escola Inkiri, vem abrindo o espírito do elemento Água! Sendo assim, sugerimos a construção do nosso último tesouro, em uma grande brincadeira.

O nosso objetivo é fazer com que vocês reflitam e colham algumas sensações e informações, para construir a Teia Educacional da criança.

 

Chegou o momento de fazermos algumas escolhas, baseadas em nossa realidade, sonhos e possibilidades. Agora, olhamos para nós mesmos, para nossas memórias e o que foi importante em nosso caminho, na conexão conosco e com as crianças e, com esses tesouros em mãos, projetaremos o que queremos para as nossas crianças.

 

Quem faz parte desta rede? Quem são essas pessoas e lugares? Como são estes ambientes? O que pensam as escolas? O que pensam os educadores? O que tudo isso está alinhado com o que eu construí até hoje?

 

A seguir, você encontrará imagens, slogans de espaços educacionais, pensamentos para que você possa colher o que lhe desperta conexão. A ideia é que você possa identificar-se com alguns desses elementos e assim, descobrir o que se alinha melhor aos seus valores pessoais e ao perfil de sua família. (as imagens estão numeradas, para, mais tarde, descobrirem a sua fonte).

               você encontrará também, um documento para download, que te auxiliará a enxergar as suas necessidades e as suas possibilidades.

Neste mesmo documento, você encontrará perguntas significativas, as quais servirão de exemplo e inspiração, para você formular as suas próprias perguntas, ao visitar ou escolher possíveis locais/ pessoas que, junto com você, serão responsáveis pela educação de suas crianças!

Esperamos que este material traga bastante reflexão, e que seja ferramenta para suas importantes tomadas de decisão! Divirta-se!

​ÁGUA

FLUIDEZ, CLAREZA, PURIFICAÇÃO. ENTREGA! 

“O Menininho” (Helen Buckley)

 

Uma vez um menininho foi para a escola.

Ele era só um menininho

E a escola era bem grande.

Mas quando o menininho

Descobriu que ele podia ir até sua sala

Andando direto da porta da frente

Ele ficou feliz;

E a escola não parecia

Tão grande como antes.

 

Numa manhã

Quando o menininho já tinha conhecido melhor a escola,

O professor disse:

“Hoje nós vamos desenhar”.

“Que bom!”, pensou o menininho.

Ele gostava de desenhar de tudo;

Leões e tigres,

Galinhas e vacas,

Trens e barcos;

E ele pegou sua caixa de giz

E começou a desenhar.

 

Mas a professora disse, “Espere!”

“Não é hora de começar!”

E então ela esperou até que todos parecessem prontos.

“Agora”, disse a professora,

“Nós vamos desenhar flores”.

“Que bom!”, pensou o menininho,

Ele gostava de fazer flores muito bonitas,

Com o seu giz rosa e laranja e azul.

Mas a professora disse “Espere!”

“Eu vou te ensinar como fazer”.

E era uma flor vermelha, de galho verde.

“Olhem só”, disse a professora,

“Agora vocês já podem começar”.

 

O menininho olhou para a flor que a professora desenhou

E depois olhou para a sua flor.

Ele gostava mais da sua flor,

Mas ele não disse isso.

Ele apenas virou a folha

E fez uma flor igualzinha à da professora.

Vermelha, de galho verde.

 

Noutro dia

Quando o menininho tinha conseguido abrir

A porta da frente da escola sozinho,

A professora disse:

“Hoje nós vamos trabalhar com argila”.

“Que bom!”, pensou o menininho;

Ele gostava de argila.

Ele podia fazer todo tipo de coisa com argila:

Cobras e bonecos de neve,

Elefantes e ratos,

Carros e caminhões

E ele começou a amassar e espremer

Sua bola de argila.

 

Mas a professora disse, “Espere!”

“Não é hora de começar!”

E então ela esperou até que todos parecessem prontos.

“Agora”, disse a professora,

“Nós vamos fazer um prato”.

“Que bom!” pensou o menininho,

Ele gostava de fazer pratos.

E ele começou a fazer pratos

De todas as formas e tamanhos.

 

Mas a professora disse “Espere!”

“Eu vou te ensinar como fazer”.

E ela mostrou a todo mundo como fazer

Um prato bem fundo.

“Olhem só”, disse a professora,

“Agora vocês já podem começar”.

O menininho olhou para o prato da professora;

E depois olhou para o seu prato.

Ele gostava mais do seu prato,

Mas ele não disse isso.

Ele apenas enrolou sua argila de novo

E fez um prato bem fundo igualzinho ao da professora.

Beeeeem fundo.

 

Não demorou muito

E o menininho aprendeu a esperar,

A assistir

E a fazer as coisas igualzinho à professora.

Não demorou muito

E ele não fazia suas próprias coisas mais.

 

E então

O menininho e sua família

Foram morar em outra casa,

Numa outra cidade,

E o menininho

Teve que ir para uma outra escola.

Essa escola era ainda maior

Do que a primeira.

E não tinha uma porta da frente

Que ia direto pra sua sala.

Ele precisava dar alguns longos passos

E andar num corredor bem grande

Pra chegar na sua sala.

E no primeiro dia

Lá estava ele,

E a professora disse:

“Hoje nós vamos desenhar”.

“Que bom!” pensou o menininho.

E ele esperou a professora

Dizer o que deveria ser feito.

Mas a professora não disse uma palavra.

Apenas andou um pouco pela sala.

 

Quando ela veio até ele

Ela perguntou, “Você não quer desenhar?”

“Sim”, disse o menininho.

“O que é que nós vamos fazer?”

“Eu não vou saber até você fazer”, disse a professora.

“Como é que eu devo desenhar?” perguntou o menininho.

“Do jeito que você quiser”, disse a professora.

“Com qualquer cor?” perguntou o menininho.

“Qualquer cor”, respondeu a professora.

“Se todos nós fizermos o mesmo desenho,

E usarmos as mesmas cores,

Como eu saberia quem fez o quê,

E qual é qual?”

“Eu não sei”, disse o menininho,

E começou a fazer uma flor vermelha, de galho verde.

Olá! Chegamos a parte final da nossa trilha. O elemento água que é capaz de fazer uma grande alquimia, misturar os ingredientes que colhemos até agora para criar a Teia Educacional da criança. Ao mesmo tempo, esse elemento é o da fluidez, da entrega. É como se pudéssemos construir uma ideia, uma proposta com mais segurança, com a raiz fortalecida para deixarmos fluir. Nesse momento, sentimos de olhar por onde passamos: a terra e nossas raízes, a importância do auto-conhecimento na educação; o fogo e nossas memórias de infância e onde aprendemos as coisas mais importantes de nossas vidas; o ar e a valoração da conexão profunda conosco mesmo e com o outro no educar, com algumas praticas. A Teia Educacional, produto final do elemento água, portanto, será o mapa do que é importante para educar uma criança. Olharemos para os tesouros que colhemos até agora e a alimentaremos com mais algumas informações sobre escolarização e sobre experiências de convidadas pra lá de especiais! Estão prontos?

Construindo a teia educacional da criança

Como montar a teia educacional da criança?

Depoimentos de queridas convidadas!

Lesly Monrat 

 

Ela é pedagoga mas se auto-denomina deseducadora, rs. Ela pratica unschooling com seus dois filhos. Ou seja, não vão a escola e não há nenhuma condução escolar na rotina deles.

Ela tem um site e uma página no Facebook chamada Devir Educação e lá ela compartilha conteúdo sobre desescolarização, homeschooling e unschooling. Visitem!

Ela nos enviou 3 áudios com um relato de sua escolha, suas experiências e ponto de vistas que, por enquanto estão disponíveis somente no WhatsApp.

Ela também está em busca de uma forma de financiar seu documentário sobre o tema que infelizmente, não atingiu a meta da primeira tentativa de financiamento coletivo.

Rute Bersch

A Rute, além de uma amiga que a vida me presenteou, um verdadeiro tesouro, ela é inspiração materna.

 

Ela é mãe do Otto, arquiteta, criadora do IoA ideias sobre o brincar (https://www.instagram.com/ioa.ideias/ Um projeto de registro de memórias infantis, tão sensível quanto ela.

 

Ela conduz o blog e a fanpage do Maternativa e escreve a coluna Inspirações para o blog.

 

Além de tudo isso, tem uma construção muito delicada, presente e observadora da educação do Otto. E é isso que ela nos traz. Ela formou um pequeno grupo com amigas, de um cuidado compartilhado e vem contar essa história. Esperamos que seja inspiradora!

Até breve!!!

LIVROS CITADOS E RECOMENDADOS

“Comunicação Não Violenta” - Marshall Rosenberg

“Disciplina Positiva” - Jane Nelsen

“A Última Criança na Natureza” - Richard Louv

“Brinquedos de Chão: a natureza, o imaginário e o brincar.” - Gandhy Piorski